2018 ano de Urano e Marte – ano de Júpiter segundo os antigos caldeus

Postado em 5 de dezembro de 2017 por Andreia Modesto

O ano de 2018 está sendo anunciado como sendo regido por Júpiter. Mas esse cálculo é muito antigo. É preciso rever essa regência, o que não significa negá-la, mas enriquecer um pouco mais as informações sobre o novo ano.

O cálculo que diz que Júpiter é o planeta regente de 2018 era feito na Antiguidade, um cálculo realizado pelos astrólogos caldeus. Isso não invalida essa regência, mas é possível fazer, no século XXI uma análise mais abrangente.

Com Saturno  em Capricórnio, Júpiter transitando de Escorpião para Sagitário, Urano entrando no signo de Touro e Marte retrógrado em Aquário em quadratura com Urano, o ano promete movimento e muitas lições e aprendizados para todos nós. Netuno continuará em Peixes, assim como Plutão em Capricórnio.

O Nodo Norte entrará em Câncer em novembro, o mesmo mês em que Júpiter estará em Sagitário. São signos muito diferentes, mas será possível que algumas pessoas se identifiquem tanto com culturas estrangeiras (Sagitário), que resolvam mudar de país e adotar uma nova cidadania (Câncer). Ou que exista um retorno para o campo (Sagitário/Lua), buscando a riqueza da terra e a qualidade de vida junto à natureza.

É sempre preciso lembrar que o ano começava, na verdade, em Março, 21 de Março, abertura do ano zodiacal, época da Páscoa, sinônimo de renascimento.  A Igreja decidiu que o ano começaria em seguida do Solstício de inverno, 21 de dezembro, representando o nascimento do Cristo, o que era em verdade, o nascimento do deus  Mitra. Isso faz com que possamos comemorar duas vezes a abertura de um “novo ano” carregado de expectativas.

Voltando a 2018, vou abordar as influências mês a mês e concluir que é absolutamente possível conjugar influências tão diferentes quanto aquelas que serão notadas no céu de 2018: se Saturno em Capricórnio representa a restrição, o controle e o planejamento, Júpiter em Escorpião e  Sagitário vai correr o risco de exagerar.

Urano em Touro vai pedir muita cautela com o dinheiro, mas Touro vai receber também o trino de Saturno e poderá se equilibrar. O fato de existirem aspectos aparentemente dissonantes, como Saturno em Capricórnio e Júpiter em Escorpião, ajudam a lembrar que dentro do nosso mapa astral também existem energias contraditórias. Então, é preciso sabedoria para conseguir vibrar essas energias ao invés de fazer com que entrem em conflito.

2108 já começa com Saturno em Capricórnio e o dia primeiro será uma segunda-feira, o que pode anunciar um ano produtivo e com maiores chances de realização para todos.

Embora muitas pessoas pensem em Capricórnio como uma energia muito restritiva, ele pede apenas uma dose maior de responsabilidade e clareza por nossos atos e uma ação objetiva para conseguirmos consertar o que for preciso, e para continuar construindo nossa história da maneira mais correta ou coerente.

Se Saturno ou Capricórnio fossem energias tão pesadas e difíceis, não teríamos capricornianos felizes e satisfeitos, realizados e de bem com a vida. O ano vai começar com Plutão, Sol, Saturno e Vênus em Capricórnio. Júpiter e Marte em Escorpião conjuntos. A Lua em Gêmeos e Mercúrio em Sagitário. Quíron e Netuno em Peixes. Plutão em Capricórnio.

Urano vai retomar o movimento direto nos primeiros dias do ano, mais um símbolo de aceleração e retomada do crescimento para muitos países.  A quadratura formada entre Plutão e Urano é símbolo da fase de renovação global, assim como Quíron e Netuno em Peixes indicam uma civilização doente, mas que encontra uma nova maneira de cuidar das doenças e se curar.

Marte fará conjunção com Plutão em Capricórnio nos últimos dias de abril, depois de abrir o mês em conjunção exata com Saturno. Nos últimos dias de junho, estará em Aquário, entrando em movimento retrógrado e em quadratura com Urano (desde meados de maio).

Marte retomará o movimento direto em final de agosto, quando já terá retornado a Capricórnio. Em setembro voltará a Aquário, novamente na quadratura com Urano e em meados de novembro entrará em Peixes.

Marte em Aquário era temido na Astrologia da Antiguidade. Era símbolo de guerras e conflitos. Considerando que a tensão do planeta se concentra entre abril e meados de novembro, podemos acreditar que as eleições aqui no Brasil serão bastante movimentadas e talvez nos reservem surpresas. Se muitos acreditam que o conservadorismo de Capricórnio pode ajudar a eleger o presidente, Marte em Aquário não tem nada de conservador. Em quadratura com Urano é um símbolo de renovação e novos ares. Marte em Aquário pode representar a tomada de consciência (Aquário) que nos desperta (Aquário) para o poder da nossa ação (Marte), como o ato de votar. Seria possível ver uma mobilização grande popular (Aquário) para  a mudança necessária.

Poderá estar associado, num nível mais pessoal a investimentos em caminhadas, ginástica, dança, passeios, viagens. Marte em Aquário rege a tecnologia e todos os desdobramentos e invenções que adoramos, seja para nosso uso pessoal ou para aplicação, por exemplo, em cirurgias ou sérios tratamentos de saúde.

Se Saturno em Capricórnio é associado ao velho, à sabedoria e à prudência, Marte em Aquário e Urano ainda em Áries durante 2018 (alguns meses) é muito jovial. Se Saturno em Capricórnio é objetivo e racional, Netuno e Quíron em Peixes são intuitivos e emotivos. Se Júpiter em Escorpião se descontrola, Saturno segura a onda e evita perdas.

Sem dúvida alguma que o ano promete ser vivo, com surpresas e novas perspectivas para todo mundo. E que muito se vai falar sobre dinheiro e relacionamentos, o que é a tônica do eixo Touro-Escorpião (Urano e Júpiter). Mas não somente sobre esses dois setores da vida. Também sobre matéria (Touro) e espírito (Escorpião), vida (Touro) e morte (Escorpião), permanência (Touro) e transitoriedade (Escorpião).

Riquezas, recuperação, preservação, poupança  (Touro). Riquezas, renovação, eliminação, substituição, reciclagem, reaproveitamento, desprendimento (Escorpião).

O que será preciso para aproveitar todas essas energias? Talvez a mente aberta para novas experiências e aprendizados. Quebra de preconceitos, possibilidade de se discutir abertamente temas que até pouco tempo atrás eram considerados proibidos.

Alinhar-se com esse novo mundo conectado e veloz onde todos discutem tudo, exige confiança e entrega.

A Astrologia pode ser traduzida como uma linguagem. A linguagem do céu, que será interpretada tentando fazer a relação entre o que o céu mostra e o que acontece nesse plano material. Como se manifestam essas energias nesse mundo tão limitado e ao mesmo tempo tão diverso?

Nessa chamada Era de Aquário, estamos sempre nos surpreendendo. Vivemos um mundo imprevisível, que parece ter ficado menor, encurtando as distâncias e nos ajudando a superar as diferenças. Ganhamos mais alguns anos de vida, teremos mais tempo do que os que nos antecederam.

A proposta da Era de Aquário é que possamos desempenhar um papel na comunidade, que seja maior do que os papéis que precisamos representar nas estruturas menores. A pergunta é:

O que posso oferecer para o mundo? Para as pessoas ao meu redor? Como eu poderia suprir ou ajudar no que é mais necessário? Ainda que com palavras, mentalizações e intenções do que com atitudes.

Aquário não gosta de horizontes pequenos. Participa, fala, comenta, debate, não se furta a dizer o que pensa. Liga pessoas, manifesta seus anseios e insatisfações. É um signo que faz a diferença e não tem medo de nada. É o que precisamos para que 2018 possa ser comemorado como um ano de esperanças e luz para esse país.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *