Astrodestino – Ciclos

Postado em 28 de maio de 2011 por Andreia Modesto

Existem várias “influências planetárias” que podem ser traduzidas como abertura de novo ciclo. O mapa mais popular entre os leigos que é a “Revolução Solar”, é exatamente o retrato do céu no momento que o Sol retorna ao mesmo grau e minuto do Sol da data de nascimento.

Então, se você tem o Sol a 05 graus 28 minutos de Libra, todo ano, quando o Sol retorna a essa posição, você pode estudar o céu desse momento, que será um dos mapas de previsão para essa fase.

O “retorno de Saturno” ou o retorno de qualquer planeta, é exatamente isto, quando o planeta retorna à posição que ocupa no mapa de nascimento. Mas, não é preciso esperar a passagem pelo grau exato para “sentir as influências”. Gosto de trabalhar com órbitas de até 10 graus, não por teoria, mas por ter visto na prática que, sendo energia, a vibraçao dos planetas já se faz sentir bem antes.

Para quem tem Júpiter em Touro, por exemplo, e viverá entre junho de 2011 e junho de 2012, o retorno de Júpiter, não será preciso aguardar o grau exato necessariamente para começar a sentir as influências. É lógico que se existirem metas concretas para esse momento, o melhor será aguardar que a posição de Júpiter por trânsito sobre Júpiter de nascimento seja o mais exata possível mas já é possível começar a “mexer os pauzinhos” e planejar – fazer a coisa acontecer com mais vagar – bem antes do aspecto exato.

O trânsito do Sol pelo Ascendente, que é pouco valorizado na maioria das leituras é extremamente importante e não raro é uma fase positiva de grande realização pessoal, embora seja um trânsito rápido que acontece uma vez por ano. O retorno da Lua acontece a cada 28 dias e se você deseja entender melhor e vibrar com mais intensidade a sua vida afetiva, pode valer a pena seguir os retornos de Vênus, símbolo dos relacionamentos.

Podemos fechar e abrir ciclos de muitas maneiras. Se você tem Plutão-Vênus em conjunção no seu mapa de nascimento, todas as vezes em que Plutão e Vênus formam aspecto no céu, existe algo de novo para ser aprendido, sobretudo quando o aspecto formado é a própria conjunção.

Maria possui Saturno em trígono com Vênus no seu mapa. Namora com João que possui Vênus em Capricórnio recebendo sextil de Saturno. Quando Saturno e Vênus formam aspecto no céu, é possível que o casal reflita e tome decisões importantes na vida a dois, normalmente sobre questões práticas, já que os aspectos Saturno-Vênus estão sendo ativados no céu daquele momento.

Os retornos dos Nodos – pontos kármicos – sempre precisam ser valorizados e não apenas os retornos mas por onde os Nodos transitam.

Fiz uma lista de todos os posicionamentos que poderiam representar fechamento e abertura de ciclo mas seria inviável escrever sobre isto. Seria um curso longo, extenso, profundo e não muito interessante para quem só tem uma idéia mais superficial da Astrologia, em outras palavras, uma postagem meio chata para a maioria dos leitores.

Melhor pedir para os curiosos e estudantes priorizarem progressões da Lua sobre os quatro ângulos e obviamente todos os grandes planetas transitando sobre Sol, Lua, Ascendente, regente do Ascendente, Nodo Sul e Nodo Norte.

Para quem tem o Ascendente em Libra, 2009, 2010, 2011 e 2012 representam anos importantes de renovação nos relacionamentos. Pois viveram e vivem o trânsito de Saturno sobre o Ascendente e tiveram em 2010 e 2011, a oposição Júpiter-Urano como um cabo-de-guerra ensinando muito sobre o dar e receber na relação a dois ou nas amizades.

Geminianos estarão aprendendo muito e renovando ciclos quando o Nodo Norte sair de Sagitário em agosto do ano que vem e Júpiter entrar em Gêmeos, um pouco antes, em junho. Acredito que seja um ciclo de renovação intelectual e espiritual, pela natureza dos signos.

Ainda existem outras formas de interpretação para ajudar a compreender os ciclos. Um capricorniano pode ser especialmente sensível a Saturno nos momentos em que se torna retrógrado ou quando retoma o movimento direto. Um pisciano poderá sentir da mesma forma quando Netuno retrograda ou retoma o movimento direto.

Os ciclos não necessariamente precisam revelar conquistas objetivas, reflexões que levam a atitudes. Não necessariamente exigem escolhas ou novas posturas. Pode ser que sim, pode ser que não.

Podem ser questões mais subjetivas, profundas, internas, que se expressem no mundo material de modo natural ou não.

O mais importante é tentar entender o que a vida está nos pedindo para fazer. Em outras palavras, qual será o próximo passo para o auto-desenvolvimento. Para um tipo de mapa, pode ser a hora de mostrar coragem, expandir e enfrentar riscos. Para outro mapa, pode ser hora de recolhimento e retirada do mundo competitivo para cuidar da saúde.

As diferentes idades sempre representam aprendizados novos, coerentes com o tempo vivido e todas as experiências acumuladas, embora seja possível também encontrar alguém com 60 anos experimentando descobertas fantásticas como aos 20 anos.

É possível também pensar em ciclos num nível maior. Todos nós vivemos hoje esse mundo novo, impensável há um século atrás, com propostas, demandas e promessas diferentes. Para compreender nos mapas individuais, a capacidade de responder e se integrar a esse mundo do Terceiro Milênio, será preciso analisar a casa 11, a posição de Urano e Mercúrio por signo, casa e aspectos e saber qual a casa regida por Aquário e se existem planetas no signo.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *