Astrodestino – Inspiração de Mestre

Postado em 9 de fevereiro de 2011 por Andreia Modesto

M. está devendo dinheiro em três bancos. A desorganização financeira ocorreu a partir de 2008 e foi emendando um empréstimo no outro até que acabou perdendo o controle. Não tem idéia de quanto deve e não pensa em se informar pois tem certeza que vai levar um susto. Dessa forma, deixa o barco correr e a dívida está triplicando.

D. acha estranho que seu marido chegue sempre tarde em casa e em alguns dias ele nem chega. Liga de manhã cedo dizendo que virou a noite no escritório. Passa sábado e domingo desligado, irritado com ela e com os filhos, dá umas fugidas às tardes e nunca sabe explicar por onde andou. Ela imagina que possa existir uma outra mulher na vida dele mas prefere não saber. Não quer perguntar, prefere deixar as coisas do jeito como estão.

T. tem 61 anos e jamais se submeteu a exames de rotina. Com pai diabético e um histórico familiar de pressão alta por todos os lados, diz que não gosta de ir a médicos e “quem procura acha”. Tem tido uma dor nas costas que tanto pode ser lombar como rins mas acha que é melhor não investigar e segue tomando analgésicos por conta própria. Prefere não saber o que se passa a levar um susto, enfrentar uma cirurgia ou ser internada.

A pergunta é: como é que o astrólogo vai poder ajudar? As três historinhas, bem resumidas, ilustram como é que se pode perder totalmente o controle sobre a vida, por vontade própria. Se alguém quer entender o que é o oposto de auto-responsabilidade, é só se inspirar nos mestres acima.

Se você tem um problema, encare de frente. Se não encarar, a chance de resolvê-lo é nenhuma. Se encarar, já caminhou metade do caminho para achar a solução.

Já que a sessão é comédia, mais uma piada do tal Nasrudin, mestre do Sufismo:

“Um dia, na praça do mercado, Nasrudin pôs-se de pé e disse para a multidão:

– Ó povo! Querem o conhecimento sem dificuldade, a verdade sem falsidade, a vitória sem esforços, o progresso sem sacrifício?

Logo juntou-se uma grande quantidade de gente que gritava:

– SIM, SIM, QUEREMOS!

– Excelente, disse Nasrudin. Só queria saber. Podem estar seguros de que se algum dia descobrir algo semelhante, os farei saber.”

Nasrudin – 99 contos – Caravana de Livros
Organização e tradução Felipe Varella

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *