Astrodestino – Mapa Astral

Postado em 9 de janeiro de 2011 por Andreia Modesto

Numa roda animada de pessoas você pode ouvir alguém comentar que não entende como é que a irmã, nascida com Sol em Touro e Ascendente em Leão, não seja nem um pouco conservadora ou metódica.

Vai acabar descobrindo que no mapa astral da taurina, a Lua está em Áries, na casa 9, recebendo oposição de Urano, que ela é inquieta, curiosa e empreendedora, tendo viajado o mundo aos 37 anos de idade.

Poderia recortar mil exemplos de pessoas que escapam a uma tradução superficial da astrologia e surpreendem expondo outros aspectos dominantes. A Lua é muito importante no mapa astral de uma mulher, muitas vezes dizendo mais sobre sua personalidade do que o Sol.

Algumas pessoas realmente expressam mais o signo Ascendente e isto pode ocorrer desde a infância pois aquela bobagem de que “depois dos trinta anos você é o ascendente” não tem nenhum fundamento. O Ascendente pode se manifestar com força em qualquer momento da vida e algumas consultas giram em torno dessa energia que marca a hora exata do nascimento.

O ideal é que exista uma integração entre Sol, Ascendente e Lua, de modo que sejam as ferramentas necessárias para ir na direção do Nodo Norte, que continua sendo a meta principal da vida.

É verdade também que algumas pessoas vivenciam determinadas posições astrológicas com bastante rigor.

Não é raro que você pergunte a Libra: o que é que existe além do casamento?

Não é raro que você pergunte a Virgem: o que é que existe além do trabalho?

Mas os excessos trazem sofrimento e é importante vibrar o mapa inteiro, o que significa vivenciar todos os aspectos, mesmo sabendo que o tempo faz com que determinados setores sejam predominantes em determinados períodos.

Aos trinta anos manda Saturno que se organize as finanças para que tal preocupação não faça parte da segunda metade da vida. Antes disto, Urano sacudiu a adolescência e surfar na Austrália foi a experiência marcante.

Em algumas leituras, misturo um pouco de Astrologia com a Numerologia. Meu conhecimento de Numerologia é superficial mas se tenho um cliente aquariano que tem como número kármico o número 5 (a soma dos algarismos da data de nascimento), isto é um “reforço” na energia do signo de Urano, pois é uma vibração de movimento, questionamento, viagens, mudanças!

Uma médica nascida em Peixes com o número kármico 7, também possui um reforço na vibração da sabedoria, do repouso, da reflexão e do conhecimento espiritual que acaba ajudando a compreender a integração corpo-mente.

É lógico que a análise do nome de registro (personalidade) também deve ser considerada. Quando existe afinidade entre números e signos, a leitura fica mais rica.

Um outro exemplo é o geminiano que tenha como vibração do nome o número 3, número que pode ser comparado às influências de Mercúrio, o elo de ligação, a ponte, a curiosidade, a inteligência, a agilidade em produzir idéias e transmiti-las a outras pessoas. Se tiver o Nodo Norte em Capricórnio e o 8 como número kármico, terá uma dificuldade maior em domar a curiosidade de Mercúrio para fazer foco em seus objetivos.

Quando faço escolha do nome do bebê, peço que os pais me enviem o período previsto para o nascimento, sabendo de antemão que o bebê pode nascer antes ou atrasar alguns dias. Mas é possível ter uma visão das configurações gerais, posição dos nodos, posição de todos os planetas lentos e aspectos entre eles. E a escolha do nome é feita de acordo com as configurações e o “pedido do céu”. Se o nodo norte estiver em Capricórnio, a melhor vibração para o nome será o 8, que confere um senso natural de responsabilidade. Se o nodo norte estiver em Áries, o melhor número será o 1, que representa o reconhecimento do poder pessoal. Se o céu mostrar excesso de elemento ar, pode-se dar um nome com uma vibração mais “terra” ou mais “fogo” para compensar e ajudar a criança.

Alguns livros fazem essa mescla de números, signos e arcanos do Tarô. É criativo começar a falar de Saturno e Capricórnio através da carta do Eremita. E a inteligência de Gêmeos pode ser abordada através da carta do Mago. A Imperatriz pode abrir a explanação sobre Câncer.

Um bom livro é “A Numerologia e o Triângulo Divino” da Editora Pensamento, autores: Faith Javane e Dusty Bunker. É uma leitura fácil e as associações com signos e cartas do Tarô ajudam a compreender o poder dos números.

Outro livro interessante de se ler e que pode trazer abertura da mente, é “Espelhos do Self – Imagens Arquetípicas que moldam a sua vida”, da Cultrix, compilação de vários autores, organização de Christine Downing. O livro contém textos de Jung, Hillman, Von Franz e cia. Discorre sobre imagens arquetípicas de modo bem prático, com base no consultório dos terapeutas.

Voltando à análise astrológica, é importante mencionar o modo como alguns astrólogos gostam de ensinar Astrologia: ensinando o eixo ao invés de ensinar o signo. Acreditam que fica mais fácil aprender pela oposição, pela confrontação dos opostos.

Então, para compreender a atitude do elemento fogo, é preciso entrar em contato com a reflexão do elemento ar. Você aprende através do outro, daquele que se opõe e complementa.

Faça um exercício. Se quer compreender a resistência de Touro, vivencie o despojamento de Escorpião. Se quer entender a rapidez de Áries, passe algum tempo dando voltas e voltas com Libra. É uma estratégia para o aprendizado e todas são válidas.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *