Astrodestino – Sinastria – Signos e relacionamentos

Postado em 17 de maio de 2011 por Andreia Modesto

As estatísticas mostram que a maior parte das pessoas acessa o blog procurando textos sobre previsões e compatibilidade de signos. Ainda agora no mês de maio, muitos procuram previsões para 2011 e já existe quem acesse procurando as previsões para 2012, que a astróloga colocará no ar logo no segundo semestre.

Por isso, vou tentar fazer previsões mês a mês, já que em trinta dias muitas coisas acontecem no céu e alguns meses são particularmente ricos, como o mês de junho que anuncia a entrada de Júpiter em Touro, o movimento de Saturno direto e o solstício de inverno no hemisfério sul com o signo de Câncer mostrando a sua graça.

Mas essa postagem de agora ainda não é sobre o mês de junho. É sobre a compatibilidade entre signos. Já escrevi um bocado sobre isto e quem procurar no índice sobre sinastrias, relacionamentos e Libra ou casa 7, já vai encontrar um bom material.

Mas a cada postagem sempre se acrescenta algo novo. Sinastrias, ou seja, o estudo de relacionamentos, pode resultar em frustração.

É importante reconhecer que quando alguém pede uma sinastria, já está existindo um envolvimento, já aconteceu algo mais forte ou se trata de uma relação de muito tempo, fácil ou difícil, que chegou a um ponto de crise e transição.

As perguntas são:

vai valer a pena investir?

– temos potencial para uma relação sólida?

– será que a relação realmente se esgotou ou é possível ainda ser feliz ao lado dessa pessoa?

– porque ele (ou ela) agiu dessa forma?

– terminou de vez ou a gente tem chance de reatar?

É bastante curioso o fato de que todo mundo procura relacionamentos duradouros. Mesmo que exista de início uma flexibilidade para que a relação possa correr livremente, sem expectativas, no máximo em seis meses ou um ano, o desejo é de que o relacionamento tome uma forma mais definida, consistente, assumida, e que se possa fazer projetos a dois.

Acho que ninguém topa “amar por amar”, se doar, interagir, investir, acreditar e não ter alguma possibilidade de futuro ao lado daquela pessoa. Até mesmo os “amores de Carnaval” ou “fim de festa” são avaliados, será que não tem chance mesmo de virar algo mais sério? Ou seja, pelo menos no universo das pessoas que eu atendo, todo mundo leva o sentimento a sério.

A sinastria ou conjugação dos dois mapas, considerando que nessa postagem não estou falando de relações familiares, amizades ou profissionais mas me detenho nas relações amorosas, é o cruzamento dos dois mapas, planetas, casas, mesmos aspectos, elementos, um grande número de posições que precisam ser estudadas e que revelam se a relação tem ou não chances de fluir e se é tensa, conflitante, verdadeira, cheia de afinidades ou não.

Alguns aspectos podem ser muito fortes e “seguram” o relacionamento:

A Vênus de A sobre o Ascendente de B – harmonia, amor, carinho

Marte de A em oposição a Lua de B – atração física, fertilidade, estímulo físico e intelectual, obviamente dependendo dos signos e casas envolvidos

Os nodos invertidos – o nodo sul dele faz conjunção com o nodo sul dela – relacionamentos muito fortes e nem sempre fáceis

O Sol de B cai na cúspide da casa 7 (casamento) de A

A Vênus de B em trígono com a Lua de A

Marte conjunção Marte

Marte de A em trígono com Vênus de B

Saturno de A em conjunção com a cúspide do Fundo-do-Céu de B

Esses são apenas exemplos comuns e fáceis, pois os aspectos são muitos e o trabalho de sinastria é extenso. Já escrevi que o asteróide Juno tem um papel fundamental assim como a Lua, que representa harmonia doméstica e precisa sempre ter boas afinidades com a Lua do parceiro. Para conjugar a Lua em Câncer do parceiro A com a Lua em Aquário do parceiro B, será preciso um bom jogo de cintura, pois enquanto A quer comer pipoca ao lado dos três gatos e assistir televisão, B está enchendo a mochila e vai botar o pé na estrada.

Mas sempre é possível encontrar um ponto de harmonia. Já que a Lua em Câncer de A pode se conjugar com o Sol em Leão de B, e descobrimos que B tem o nodo sul em Câncer, o que faz com que se deixe seduzir por programas mais “família” e a relação se torna possível.

O que mantém uma relação não é apenas um fator. Não é somente a admiração que ela tem pela inteligência dele ou uma “boa cama”. Se queremos uma relação realmente satisfatória, não basta ele torcer pelo mesmo time que ela. É preciso um pouco de tudo, para que exista o mesmo ritmo e intenção de vida e que o companheirismo esteja presente em várias áreas. A relação é excelente e tão excelente, que desperta a inveja da mãe dele, mal casada, mal amada e que se intromete no que pode na vida dos filhos. Ele adora a mulher dele e é um sujeito muito legal mas não sabe dar limite para a mãe, morre de culpa e não consegue deixar de perdoá-la por tantas invasões. Um dia a casa cai e o casamento termina com a mulher dele indo embora e tentando ser feliz com outro.

O mais importante numa relação a dois – e nos estudos de sinastrias – não é a sinastria em si. Tem ou não tem potencial? Mas a observação dos trânsitos e progressões, que vão levar a descobrir que embora a relação “tenha tudo para dar certo”, os parceiros estão em ritmos diferentes, com intenções diferentes de vida. Então, o que poderia fluir, não flui, pois embora exista uma boa conjugação, um parceiro está mais ansioso do que o outro e tem interesses diferentes.

O mais importante num relacionamento, é saber em que momento aquelas duas pessoas estão? Será que o momento dele está se conjugando com o momento dela? Porque acabamos por descobrir que é preciso ajustar os ritmos e caminhar numa mesma direção.

A relação tem grande potencial mas enquanto ele aplica para o Doutorado em Cambridge por três anos, ela está juntando centavos para comprar um apartamento maior e sonhando com filhos. Ele está num “momento Júpiter” e precisa de expansão. E ela está num momento “Saturno-Lua” querendo um relacionamento tipo “propaganda de margarina no café da manhã”.

Mas ainda acho que a questão do ritmo é a mais importante porque se ambos estão querendo subir a montanha e um parceiro dispara na frente do outro, vão caminhar sozinhos embora na mesma direção e existe muita chance de se encantarem com outras pessoas que caminhem num mesmo ritmo lhes fazendo companhia.

Urano e Plutão colocam qualquer relacionamento à prova. São planetas de transformação profunda, muitas vezes transformações muito repentinas e tanto ele como ela levam um susto e o relacionamento termina rapidamente.

Plutão é mais doloroso que Urano. Pode trazer à tona “traições” ou situações negativas em que um parceiro se decepciona com o outro. Urano rege o desejo de liberdade para bater asas em novas direções, mesmo que seja na direção de um outro amor.

Quando você se pergunta: “O que foi que aconteceu com ele?” ou “Será que ela enlouqueceu?” , é porque Urano ou Plutão estão rondando o relacionamento e trazendo sensações “estranhas” para ele ou ela.

Saturno e Netuno também podem promover crises mas elas acontecem de modo mais lento, dando chance do casal perceber as mudanças, correr para a terapia e solucionar a questão com uma dose menor de sofrimento ou pelo menos, um susto bem menor e uma consciência sobre o que realmente ocorreu.

Nesse primeiro semestre de 2011, com Urano e Júpiter no signo de Áries, muitos relacionamentos se romperam de modo brusco, sem que ambos os parceiros entendessem direito o que estava acontecendo. Muitas relações não conseguiram se estabilizar porque Urano e Júpiter despertaram o individualismo dos dois parceiros ou pelo menos de um deles, o que acarretou a quebra da relação.

Com Júpiter em Touro, a promessa de reconstrução é grande a partir de junho, obviamente com um novo parceiro. Mas Urano vai continuar no signo de Áries até 2019 e todo relacionamento passará pelo teste de Urano. Não serão possíveis relações nas quais não exista o respeito pela individualidade de cada um. O relacionamento terá como proposta, somar, agregar, evoluir, desenvolver sem que um parceiro se perca no outro. Relações onde possa existir controle não durarão muito tempo. As relações terão que ser verdadeiras, um parceiro percebendo e aceitando quem é o outro. Não existe outra fórmula para ser feliz de verdade nesse plano material.

Então, ao invés de perguntar para ele no primeiro encontro, se ele é de Gêmeos ou Escorpião, pergunte se ele está num momento Saturno ou num momento Urano. Mas só deve fazer isto se ele também gostar e entender um pouco de Astrologia ou ele vai descartar você de vez, achando que é completamente louca.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *