Astrologia – esclarecendo algumas dúvidas

Postado em 21 de fevereiro de 2013 por Andreia Modesto

Algumas postagens podem tocar em temas que já foram abordados antes, mas os leitores ou clientes enviam com freqüência as mesmas perguntas e vale a pena esclarecer alguns pontos.

Vou enumerar questões diferentes para que não existam mais dúvidas sobre como, porque e quando encomendar o mapa astral.

Não existe necessidade de se aguardar o dia do aniversário. Qualquer pessoa pode solicitar a leitura do seu mapa natal, kármico ou mapa de previsões quando quiser. A virada do aniversário é um dos momentos mais importantes, mas pode-se abrir um ciclo novo de vida a qualquer momento.

Existem vários trânsitos e progressões que mostram que em determinados meses – distantes da data de aniversário – por diversas posições-influências planetárias, uma  pessoa pode entrar num ciclo novo. Basta examinar a sua história de vida para descobrir que nem sempre grandes experiências  estavam relacionadas com a data do aniversário.

Não vou me estender nas técnicas utilizadas porque seria  pouco interessante para quem conhece a Astrologia superficialmente. MAS planetas cruzando o Ascendente, aspectando Sol, Lua ou regente do Ascendente, aspectando os Nodos ou cruzando os quadrantes – ou apenas mudando de casa e signo, por progressão ou trânsito – são arautos de um novo tempo. E essas posições independem da data de aniversário.Uma outra questão é sobre o conteúdo de um mapa astral. Seja feito por escrito, skype ou presencialmente. Uma consulta deve ter um limite, como tudo no plano material tem um limite.

Não se faz Astrologia por fita métrica. Longevidade não significa uma viva vivida com significado. Fita métrica só para ver se a cinturinha continua em forma e nas exigências da boa saúde.

Ficar listando aspectos para impressionar o cliente, sobretudo nas sinastrias, significa enganar, enrolar. Conheci pessoas que tiveram consultas de 4 horas com astrólogos que não disseram nada de consistente, perdendo tempo com divagações e fantasias, querendo dar aulas e mais confundindo do que ajudando, pois os termos astrológicos são difíceis e o cliente não domina essa linguagem (e nem precisa dominar para poder ser bem orientado).

O astrólogo ou tarólogo precisa ser objetivo e focado nas questões do cliente. Se perceber que a postura da pessoa está equivocada, não vai adiantar tentar prever o que não vai ser vivenciado, pois sem postura correta não vai haver desenvolvimento.

Nenhuma leitura astrológica “diz tudo”. Não há como se condensar toda uma vida em uma consulta astrológica, sendo o astrólogo  honesto e tendo consciência das suas limitações. Não sabemos “tudo”. Embora astrólogos e videntes de todos os tipos tenham anunciado o fim do mundo para dezembro de 2012, ninguém avisou sobre o incêndio de Santa Maria na abertura da Lua Cheia no eixo Aquário-Leão, eixo da juventude, criatividade e alegria.

O astrólogo pode e deve tocar na estrutura do mapa de nascimento com ou sem abordagem kármica, pois qualquer tipo de “previsão-orientação” está sendo feita sobre esse mapa – essa proposta de vida. Mas se a postura estiver equivocada, não vai ter Júpiter que dê jeito.

Então, oriento que alunos de Astrologia priorizem as questões mais importantes do mapa e que abordem o que está sendo vivenciado naquele momento nessa trilha que leva o nome de destino.

Mais do que previsões, o trabalho é de orientação.

O mais importante é sempre o autoconhecimento. A partir daí  a vida vai nos revelando a nós mesmos, nos testes, provas, desafios, obstáculos e também nas recompensas, na boa sorte e nos momentos de alegria.

********************************************

Sobre as dificuldades em escolher, Libra e Gêmeos talvez sejam os campeões, mas pode-se anotar também Peixes, Sagitário e Virgem, signos mutáveis como Gêmeos ou signos duplos. Libra é representado pela balança que tem dois pratos e compara, compara, compara e se cansa de tanto comparar.

Se um libriano tem dificuldades em tomar decisões, o mais importante é que o astrólogo torne essa pessoa consciente das suas dúvidas, da necessidade que tem de fazer comparações e que possa ajudá-la para que ela se sinta mais segura no passo que dará.

Por detrás de cada escolha, ou à frente dela, está quem somos nós. Quando se escolhe um vestido, sobremesa, carreira ou um namorado, estamos mostrando quem somos e o que queremos da vida, momentaneamente ou para sempre.

 

A dificuldade de Libra em decidir está relacionada com a falta do auto-conhecimento pois teme fazer uma escolha que não esteja realmente adequada ao que é mais importante para Libra. Quem se conhece, sabe muito bem qual a melhor direção. Quem não se conhece pode fantasiar bastante e precisar de mais tempo para virar à esquerda ou à direita.

Ou pode ser mais fácil reconhecer suas dualidades, contradições e vários interesses e atrações. Talvez seja possível estabelecer prioridades. Primeiro a faculdade de Filosofia e depois a faculdade de História. E coroar com um Mestrado que consiga unificar os dois conhecimentos, o que não é difícil. Primeiro o sorvete de morango e depois a torta de maçã. Fora as calorias, isto não traz grandes sofrimentos.

No amor fica mais complicado estabelecer prioridades pois não se pode experimentar uma pessoa e depois provar da outra e pedir um tempo às duas para decidir qual o melhor sabor. Alguém pode se machucar nessa história. Não se pode ter tudo ao mesmo tempo num mundo que nos limita desde a hora do nascimento.

Os signos mutáveis dividem com Libra essa percepção maior – um ângulo de 180 graus. Cara e coroa. Os peixes nadam em direções opostas e Sagitário reconhece sua metade animal. A dualidade geminiana é expressa num gênio como Fernando Pessoa que brinca com a palavra e as identidades que se escondem dentro de nós. Para explicar a divisão de Virgem é preciso se aprofundar no mito de Perséfone que se dividia entre o reino do Hades e o Olimpo, no papel de esposa e de filha.

Mas isso não significa que as pessoas nascidas nesses signos sejam mais ricas em talentos ou possibilidades que outras. Se lembrarmos da profundidade do elemento água que inclui Câncer e Escorpião e registrarmos que Aquário pode ser comparado a uma vibração geminiana superior.

É preciso atender, ouvir, registrar e comparar os mapas. Muitos geminianos conseguem “parecer” mais aquarianos do que alguns “nativos” do signo de Urano. E muitos aquarianos vibram suas energias como Gêmeos. Tudo vai depender do nível de consciência, da freqüência em que aquela pessoa atua.

Plutão colocado na casa 3 do mapa astral, casa de Gêmeos, pode reger o cientista, o psicanalista ou o escrivão de polícia. Pode levar aquela pessoa a dar palestras (casa 3) sobre espiritualidade, reencarnação, espiritismo (Plutão). Ou pode levá-la a dar palestras (casa 3) sobre qualquer questão plutoniana como a violência do mundo moderno e as drogas porque estuda o comportamento humano por ser médico ou psicólogo. Ou a posição de Plutão pode revelar perda de irmão na infância ou dificuldades de relacionamento com ele.

 

O mapa astral é um conjunto de todos os signos, já que todo o zodíaco está presente naquele retrato do céu no momento do nascimento daquela pessoa. São também extremamente ricos os “nascidos na cúspide”, ou seja, aqueles que acumulam influências de dois signos porque nasceram na passagem de uma energia para outra.

As pessoas mudam. Descobrem sobretudo pelas experiências da vida que os pilares da juventude não sustentam a maturidade. Ou que muitos foram derrubados pelas ventanias e outros ainda se mantêm.

Uma das surpresas de uma leitura astrológica é o cliente descobrir que ele tem um determinado signo ascendente ou lunar que ele jurou abominar a vida toda. Nunca suportou os cancerianos e descobre que sua Lua está em Câncer e que não precisa ser chorão ou fixado no passado para expressar o signo de modo positivo.

Um risco da leitura astrológica é gerar preconceitos. Todo ariano será brigão ou todo capricórnio será carreirista. Quem mais sofre é Escorpião, pois as pessoas “deduzem” que em determinado momento irá trair ou que estará sempre escondendo alguma coisa.

Existe de antemão uma má vontade em ter amigos nascidos nesse signo ou em qualquer outro. O signo solar  é uma  das questões do mapa e muitas vezes pode estar mais relacionado com a direção do destino do que com características básicas.

Um canceriano com Ascendente em Virgem, Lua em Capricórnio e Nodo Sul em Gêmeos na casa 10,  pode ser vigoroso, bastante racional e planejado. Não se reconhece nas reações emocionais de Câncer mas pode ser o herdeiro escolhido para administrar os bens de família para os pais e avós enquanto toca a própria carreira.

Não é possível comparar as dores e sofrimentos do ser humano. Se um signo mais vaidoso se desestabiliza porque ganha peso ou idade, outros podem ser testados de modo mais profundo.

Em muitos livros de Astrologia, está escrito que o mais difícil é pertencer a Escorpião e Peixes, pelo mistério que representam para o próprio ser humano. Mas o dilaceramento de Aquário forçado a reconhecer  seus limites, também não é fácil.

Não é verdade que todo geminiano seja superficial e frívolo pois não se expressa apenas como relações públicas em eventos. É muito maior do que isto. Usa sua capacidade na diplomacia e propõe contatos e acordos que fazem cessar as guerras ou faz uma revolução nas artes como Chico Buarque, Garcia Lorca ou Walt Whitman.

O vizinho bobo e tagarela pode  ser nascido em Gêmeos, mas expressa a energia do signo numa vibração inferior.

Quando alguém comenta que “todo” pisciano será depressivo e acomodado na vida, é preciso lembrar de Liz Taylor, George Harrison, Einstein e Steve Jobs. Deixaram um legado de beleza, sensibilidade, inteligência e coragem.