Dicas para analisar o próprio mapa astral em 2015

Postado em 4 de janeiro de 2015 por Andreia Modesto

Muitos clientes meus entendem um pouco de Astrologia. Nem todo mundo conhece as progressões, mas a maior parte sabe um pouco sobre os trânsitos. Todo mundo tem dificuldade em fazer a síntese das influências, pois isso exige uma visão ampla e a possibilidade de estabelecer prioridades para aquela fase, com base no valor que cada planeta pode ter no mapa astral daquela pessoa.

Porque os trânsitos devem ter “diferentes pesos” para diferentes mapas, obviamente. O modo como Escorpião recebe um trino de Netuno é bem diferente do modo como Libra recebeu também um trino. Escorpião recebe um trino de Netuno em Peixes. Libra recebeu um trino de Netuno em Aquário, antes que o planeta abrisse o ciclo em Peixes.

A diferença é como cada signo entra em sintonia com o planeta e também por que signo tal planeta transita, já que Escorpião e Libra são signos diferentes e a passagem de Netuno por cada signo, tem em si, diferentes traduções. Fora as diferenças mais individuais, sempre ditadas pelas casas por onde Netuno transita e onde está o Sol daquela pessoa.

Uma orientação para quem quer tentar ensaiar um pouco, é fazer minuciosamente, planeta por planeta, deixando para sintetizar  – estabelecer os pesos no final. Ou seja, fazer pedaço por pedaço e depois conseguir ter uma noção do TODO. O mais importante é que se possa ter uma noção correta – ainda que menor – para poder se orientar. Não adianta pensar em muitas orientações ao mesmo tempo, se elas podem ser falhas.

Poucos vão conseguir cruzar trânsitos e progressões, o que exige muita experiência. Pode-se fazer as duas técnicas separadamente. Os grandes trânsitos e depois cruzá-los com os trânsitos dos planetas menores (Marte, Vênus, Mercúrio, Sol). E as progressões da Lua, pelo menos.

Para quem não trabalha com Astrologia, o envolvimento com o mapa deve e pode ser muito prazeroso, até a imagem de brincar um pouco com o mapa é possível. Já que não existe a preocupação que existiria para um profissional, é possível ter tempo para esmiuçar bastante cada planeta e possibilidade. Mas o ideal é recorrer a muitos livros ou sites diferentes, para ver como existem divergências nas diferentes análises.

Por falar nisso, a regência de MARTE para o ano de 2015 é bastante discutível. É um cálculo antigo que pode ser questionado. Será um ano de ação pela energia de Júpiter que pode ajudar a ter um grau de produtividade maior. Mas aqueles que estiverem numa conexão muito grande com Netuno, precisam tomar cuidado para não se dispersar e perder boas chances.