Júpiter em Libra

Postado em 14 de maio de 2016 por Andreia Modesto

As regras de um relacionamento precisam ser estabelecidas desde os primeiros contatos.

Qualquer relacionamento: se você deixar seu cachorrinho dormir em sua cama na primeira noite, vai ser difícil convencer o animalzinho que ele não pode dormir nas noites seguintes.

Se sua sócia chega atrasada na primeira semana com a desculpa que a diarista atrasou também e o filho estava com febre, anote no caderninho: a diarista dela vai atrasar o ano todo e o bebê sempre estará febril, porque ela vai continuar atrasando.

Mas a postagem quer tocar nos relacionamentos amorosos e dar algumas dicas librianas para a boa convivência.

Se não deixar claro para o namorado novo que não gosta que ele exagere na bebida, ele vai exagerar na noite seguinte, já que não recebeu nenhum sinal de limite de sua parte. Pode ser que você descubra que ele não consegue mesmo dar limites, e essa já é uma descoberta importante para você saber se quer ou não continuar nesse barco com ele e tentar ajudá-lo ou se prefere pular rápido da canoa e encontrar outro parceiro.

Se ele diz que vai te ligar para saírem no dia seguinte e desaparece, quando ele ressurge um mês depois, é fundamental que você esclareça o que foi que aconteceu naquela ocasião, porque, se você fingir que nada aconteceu, você estará deixando claro que ele está autorizado a fazer de novo…e vai fazer.

Postergar as conversas sobre o espaço de cada um dentro do relacionamento é distanciar o casal e permitir que se viva uma fantasia. Sem diálogo, você não sabe o que pode esperar do outro. Ele é uma caixinha de surpresas para você. E estará mal acostumado se você for suportando tudo o que você não suporta. Até que um dia você explode e ele não entende nada do que está acontecendo, porque ele estava se relacionando com outra pessoa…

Muitas pessoas que atendo tecem várias queixas ao parceiro afetivo, aos pais, ou a alguma amizade específica. Quando pergunto se já conversaram sobre os motivos das queixas, a resposta é evasiva: não houve ocasião, começou a falar e o outro desconversou, tentou falar mas ele não prestou atenção, enfim…

Limites podem ser dados de várias formas diferentes. Podem ser dados através de atitudes, já que nem sempre os homens gostam de conversar. Há pouco tempo uma cliente conheceu um rapaz por aplicativo. Saíram para tomar um café e se conhecer melhor. Depois de 2 horas ouvindo o sujeito falar mal da ex-mulher, ela pediu licença dizendo que ia ao banheiro. Saiu de fininho e foi pra casa, deixando o chato completamente sozinho com o seu próprio discurso. O relacionamento não deu em nada, mas ele ligou para se desculpar porque entendeu que fez tudo errado.

Júpiter vai entrar em Libra, pelos meus cálculos, em 09 de setembro. Vai ajudar a todos os signos a perceberem como podem encontrar um equilíbrio melhor nos relacionamentos. Não apenas nos relacionamentos amorosos, mas qualquer outra relação. O outro preenche nossa vida, ilumina, diverte, enriquece. Também pode frustrar, magoar, humilhar. E nem sempre tem consciência disso.

Júpiter em Libra vai permitir que os dois lados de uma relação olhem um para o outro e se percebendo melhor consigam também se respeitar mais. Nem sempre o sentimento é suficiente. Existem pessoas que amam de um modo muito infantil, egoisticamente infantil. É preciso avisá-las desde o primeiro momento que desse modo a relação não vai para a frente. Ficará muito difícil transformar a relação depois, pois o outro se acomodou e não vai querer sair da zona de conforto.

Desde agora, com Júpiter em movimento direto em Virgem, já é possível ter o discernimento necessário para não permitir que o outro faça coisas que você não gosta. Um relacionamento não nasce pronto, mas vai amadurecendo, sendo cuidado a quatro mãos. Se você já começar a dar limites agora, a partir de setembro a relação poderá entrar numa fase mais madura e feliz.

“Para ser feliz no amor, falem como os melhores amigos, brinquem como as crianças, discutam como marido e mulher e protejam um ao outro como irmão e irmã.” – anônimo