Júpiter oposição Plutão 2

Postado em 25 de abril de 2013 por Andreia Modesto

Netuno é o planeta da ilusão e Plutão pode nos deixar cegos de raiva, medo ou paixão. Mas Plutão possui uma riqueza de traduções e também é um planeta que traz as verdades à tona. O que existe no subterrâneo aparece na erupção do vulcão ou nas palavras que durante anos foram caladas.

Júpiter é  luz e a oposição entre os dois planetas pode estar associada a novas verdades e  valores. São muitas as interpretações. Plutão faz cair por terra idealizações que não se sustentavam mais. Júpiter aponta novas direções e  nova percepção sobre a vida.

Essa oposição precisa ser compreendida dentro do contexto em que aparece. Não é somente uma oposição de Júpiter a Plutão, mas também  uma configuração complexa em que Urano, Netuno e Saturno se integram.

Quando Júpiter entrar no signo de Câncer, estará conjunto ao Sol e em trígono com Netuno e Saturno. A oposição a Plutão e a quadratura com Urano acontecerão um pouco mais à frente.

No plano material, ilusões não vingam por muito tempo. Ter algumas fantasias e sonhos  é importante para conseguirmos sobreviver ao cotidiano difícil. Mas existem limites. Ou aquela o sonho vira alienação.

A oposição Júpiter-Plutão poderá ocorrer no âmbito das novas leis, mudanças nas Constituições de vários países, no reconhecimento de uma realidade que não admite ouvir sermões conservadores. A  destruição e reconstrução do núcleo familiar em novas formas, obtendo reconhecimento e apoio da sociedade. Redefinição dos papéis masculino-feminino, pai-mãe (Saturno-Lua), dentro do lar, dentro da sociedade, redefinição do papel da escola, redefinição do que seja “educar”.

Também poderá trazer (ainda mais) avanços na medicina e em todo o conhecimento que represente uma transformação ágil para o mundo em que vivemos, pois os dois planetas atuam na área da saúde e estão associados a pesquisas. Júpiter e Plutão regem a  força pessoal e as forças superiores,  religiosidade e o modo como se produz conhecimento. São dois planetas de profundidade, cada um ao seu modo. Nenhum dos dois pode estar associado a uma postura leve, superficial ou leviana.

Podem mostrar  influência no modo como se conduzem negociações de paz ou como se declaram  guerras. Podem reger queda e ascensão de novas lideranças de forma drástica. São duas energias relacionadas a política, a economia, ao modo como o homem produz riquezas. Abandonar uma fonte de energia que é cara para investir em outras, um processo que já ocorre desde que Plutão estava em Escorpião.

O mundo sempre enfrenta períodos de transformação. O século XX foi chamado de “século rebelde”. Nos tempos de hoje, somos levados à reflexão porque reconhecemos que o “futuro é hoje” e nosso cotidiano reproduz o  filme de ficção científica, sonho de ontem. Tudo vai ser diferente e se os europeus se lançavam aos mares buscando novas civilizações para fazer comércio, nós nos jogamos nas redes sociais  com o mesmo intuito: descobrir, produzir, trocar e ampliar horizontes.

A riqueza de interpretações é imensa, e dentro do mapa astral de uma pessoa, será preciso compreender pelas casas onde a oposição acontece e por outros planetas que estejam envolvidos, quais as questões principais a resolver. Numa próxima postagem vou tentar abordar de modo mais pessoal tais influências.