Mapa Astral e Orientação Vocacional – ou redirecionamento de carreira

Postado em 5 de abril de 2014 por Andreia Modesto

MAPA ASTRAL VOCACIONAL OU MAPA ASTRAL DE REDIRECIONAMENTO DE CARREIRA

É possível que num estudo de sinastria, que avalia um relacionamento amoroso, tenha que se explorar muito a questão profissional dos dois parceiros, pois muitas vezes, fica impossível ficar casado com alguém que trabalha num turno completamente diferente do seu. Uma cliente que é professora de escola privada, não conseguiu levar adiante o casamento com um músico que sobrevivia de tocar à noite ou fazer turnês pelo Brasil ou exterior. A convivência se tornou impossível, já que o casal pouco se via.  Em alguns casos, pode ser que valha a pena repensar a vida profissional, priorizando o relacionamento. Em outros exemplos, não vai ser possível dar continuidade à relação, mesmo que ambos se gostem muito. O que quero dizer aqui é que uma orientação de mudança profissional pode ser motivada por uma questão afetiva. O casamento é excelente, ela é funcionária pública e ele é transferido para o Chile. E aí?

Já explorei em outros textos que é preciso antes de tudo entender se o mapa exige que o trabalho seja um meio para poder se obter realização em outras áreas da vida, ou se o trabalho é a finalidade e preenche a vida daquela pessoa,  trazendo um sentido maior para tudo. O termo que se usa para os seminaristas, aqueles que fizeram a opção pelo sacerdócio é “vocacionados”. Assim como outras pessoas que optam por carreiras em que se doam muito mais do que recebem, fica claro que não existiria nenhum outro caminho possível para elas.

Se o Nodo Norte estiver dentro da casa 12, é preciso evitar qualquer trabalho exaustivo que possa prejudica a saúde. Se o Nodo Norte estiver na casa 6, é preciso preencher a agenda de modo a se tornar uma pessoa realmente produtiva e preocupada em ajudar às outras pessoas sendo sempre solícita e prestativa.

A maior parte das pessoas pode fazer escolhas, o que gera muita angústia, seja na hora de escolher a primeira opção no vestibular, seja na hora de se aposentar e querer fazer outra coisa bem diferente. Ou ainda, alguns que dão grandes guinadas no meio do caminho e lidam com o risco de mudar de segmento e função. Talvez esse último exemplo seja o mais desafiador. Quando digo que a maior parte das pessoas pode fazer escolhas, digo que o número de “vocacionados”, que se sentem arrastados numa determinada direção profissional, é pequeno. A maior parte se depara com muitos talentos e interesses.

Lendo o texto sobre vocação e astrologia, meus clientes perceberão que a leitura dos Nodos (pontos kármicos), fará parte das leituras e análises. Do mesmo modo, os trânsitos e progressões, já que será possível perceber que a primeira faculdade escolhida será uma primeira graduação seguida de uma outra mais apropriada. Ou, que o trânsito de Urano que traz a insatisfação para o executivo de 42 anos, poderá levá-lo a seguir a área de tecnologia ou marketing, bem diferente do mercado financeiro, onde sempre atuou anteriormente.

Análise de vocação, redirecionamento, sinastria, análise dos Nodos (pontos kármicos) e trânsitos – tudo isto sobre a estrutura do mapa de nascimento com a abordagem kármica. Não somente Saturno rege a vida profissional. Pode-se trabalhar com Mercúrio, Júpiter, pode-se enxergar a vocação na casa 8, 12 ou 4, se a opção é pela Medicina ou Psicologia. Existem muitos fatores além das leituras de casa 2, 6 e 10, tradicionais casas da “vocação” no mapa.