O que é ser rico? Touro e reflexões sobre o poder do dinheiro.

Postado em 9 de maio de 2017 por Andreia Modesto

O que significa ser rico?

O que é riqueza para cada um de nós? Se nos voltamos para a Mitologia, vamos descobrir que Plutão, o deus da morte e despojamento, era o mais rico de todos. Dono dos minérios do fundo da terra e de todas as almas que em seu reino ficavam esperando o retorno à vida.

Muita confusão existe sobre dinheiro e felicidade. E os estudos e documentários sobre essa estreita relação são vários. Dinheiro pode mesmo trazer a felicidade? Ou é um dos maiores testes que o ser humano pode enfrentar?

O que será que significa ser rico?

Talvez seja uma das definições mais subjetivas que existe nesse mundo material, onde a própria beleza depende muito dos olhos de quem a vê.
Ver alguém passando privações e necessidades, ou sendo mal atendido num hospital público, revolta e dá vontade de declarar que dinheiro compra até mesmo a dignidade, que começa por um quarto e lençóis limpos, remédios e assistência adequada.

Mas, com a cabeça fria e observando as famílias destruídas pela ambição maior de um dos irmãos diante da herança, nosso coração dá uma reviravolta. Caim e Abel andam pelas esquinas, mas ao invés da atenção de um deus, disputam os imóveis deixados pelos pais.

Dinheiro pode ser sinônimo de bastante encrenca, assim como o poder e a beleza. São testes difíceis, armadilhas, possibilidade de escorregarmos na vaidade pessoal rapidamente.

O que significa ter mais dinheiro do que o vizinho? Será que significa realmente algo relevante? Ou é só chamariz para vender o modelo novo do carro que não vai sair do lugar no próximo engarrafamento?

Em alguns casos, correr atrás de uma situação financeira melhor com muito empenho é uma necessidade de sobrevivência e todo mundo sabe disso. Tenho clientes que carregam por anos a acusação de serem “materialistas”, pelo fato de terem sido os mais bem sucedidos da família e ajudarem a todos os outros que não se coçaram para crescer na vida.

Uma confusão sem tamanho. Mas, é verdade que os mais ricos parecem comumente mais entediados e mais vazios. Estou falando daqueles que são tão pobres, mas tão pobres, que a única coisa que têm na vida é muito dinheiro. Falta motivação ou desafios que os obriguem a passar por alguns riscos e frio na barriga.

Talvez a maior riqueza seja ter sempre o baú cheio de significado.

Significado, envolvimento, paixão, comprometimento! Essa coisa que mobiliza e faz pular cedo da cama na manhã fria, reclamando entre o sono e a vontade! Ser rico pode ser sentir sempre essa cosquinha do desejo de viver e ir fazendo, experimentando, tentando, sem tempo para lembrar quanto se tem na conta do banco.

O baú cheio de vontades e gratidão pela oportunidade da existência, mistério, perguntas, dúvidas, horas de aperto e dificuldades para saber dar valor às horas de muita alegria e satisfação também.