Passado e Presente

Postado em 15 de março de 2016 por Andreia Modesto

Muitas pessoas vivem do passado. Aquilo tudo que poderiam ter sido, o que poderiam ter feito ou vivido SE…

É agradável fechar os olhos e reviver alguns momentos, antes de optar por um casamento, antes de jogar a faculdade para o alto, antes de recusar o emprego, mas a vida não se constrói no verbo condicional.

A vida é aqui e agora. O momento agradável de reviver o passado deve durar poucos segundos, ou o ressentimento e a culpa se tornam tão pesados que o passado nos aprisiona.

Observar a natureza é um modo de encontrar conforto e orientação para nossas próprias vidas. A cada outono, embora as folhas teimem em cair vermelhas, nunca caem do mesmo modo. Os tons vermelhos ou grenás das folhas se alternam. E nem sempre o outono respeita a mesma data, chega às vezes em 21 de março, outros anos, um dia antes.

A vida tem um movimento cíclico, as estações se repetem, mas nunca são exatamente as mesmas. A vida tem temperamento instável, se alterna nos quatro climas, envia vários tipos de nuvens, ventos fortes que assoviam, furacões ou a brisa que arrepia o corpo. Surpreende com o temporal de manhã cedo, surpreende com o arco-íris. Lua Cheia generosa, Lua Nova escondida.

Surpreende a semente que morre para dar lugar ao fruto, surpreende a luz do dia que se apaga e deixa vir a noite, nos surpreende a vida o tempo todo. E olhamos para ela como se fosse a primeira vez, todas as vezes que olhamos para ela.

Viver no passado, insistir em fazer valer hoje o que foi a verdade de muitos anos atrás pode gerar muito sofrimento e desilusão.

Não somos aquilo que gostaríamos de ter sido, mas talvez sejamos exatamente o que a vida precisa que sejamos. Ela é muito maior do que nossas verdades, ideais e recordações.

Nostalgia é bom só para dedilhar um samba ou bolero…Como dizia Nietzche, librianamente: “As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras.”

Viver do que gostaríamos de ter sido ou ter feito, só vai dar um baita torcicolo de olhar para trás.

A realidade daquilo tudo que somos hoje e do que podemos fazer agora, é o que é preciso viver, com vontade e coragem.