Reflexões sobre Câncer e Capricórnio

Postado em 6 de janeiro de 2017 por Andreia Modesto

Reflexões sobre o eixo Câncer-Capricórnio: Podemos dizer que expressamos o nosso lado Capricórnio quando batemos a porta de casa e saímos para trabalhar vestidos de acordo com a imagem profissional que o mercado exige. No hall do elevador ou saindo da garagem, já vamos incorporando essa personalidade própria dos negócios e mundo do trabalho.

À noite, quando retornamos à casa, fechamos a porta e nos jogamos no sofá exaustos, buscando aconchego e tranqüilidade, estamos em contato com o nosso lado Câncer.

Em tom de brincadeira:
Ternos ou salto alto: Capricórnio
Camisetas ou pijamão: Câncer

Talvez as coisas não corram dessa maneira. Pode ser que chegando em casa sejamos abordados por funcionários que nos lembram que arrebentou um cano no banheiro ou faltou comprar tempero para o jantar. Babás com crianças no colo, visitas surpresas dos sogros, vizinhos que chegam para convidar para reunião de condomínio ou reclamar do seu cachorro, enfim… não tão tranqüilo, mas esse é o nosso lado Câncer.

Capricórnio é o “lado de fora”. Câncer é o “lado de dentro”.
Na estrutura do mapa astral, os dois signos são o PILAR do mapa, a COLUNA VERTEBRAL, a estrutura que sustenta todo o resto, representando o período de infância (Câncer) e o lugar que ocupamos no mundo “lá fora”, carreira, vida profissional (Capricórnio).

A casa de Capricórnio é a casa mais alta do mapa astral, representando poder, visibilidade, ascensão. Câncer é de onde viemos. Capricórnio é onde queremos chegar.

Câncer, signo feminino, intuitivo, receptivo, busca as origens, cultua os ancestrais, faz a árvore genealógica da família, estuda História para compreender melhor sua inserção na comunidade, cidade e país onde nasceu e se desenvolve.

Positivamente nutre, ampara, acolhe e protege. Negativamente impede de crescer, sufoca e desconfia de qualquer coisa que aconteça fora desse ninho de proteção.

Capricórnio, considerado também como um signo feminino por pertencer ao elemento terra, é em verdade, masculino. Basta fazer uma estatística sobre mulheres capricornianas que são “o homem da casa” e que substituem a figura paterna dentro da família quando o pai vem a falecer.

Capricórnio pergunta: – “O que devo fazer?” – “O que é preciso fazer?” – E é considerado, junto com Peixes, Virgem e Escorpião, um dos signos kármicos, signos com propostas de crescimento realmente desafiadoras para a maior parte das pessoas (não estamos falando de todas as pessoas nascidas nesses signos, mas do aprendizado contido em cada um deles).

Pergunte a um capricorniano se ele realmente fez o que ele queria fazer ou se ele fez o que “tinha que fazer”, guardando emoções na gaveta até que numa idade mais à frente possa dar espaço para a espontaneidade.

Michelle Obama, Carla Bruni e Kate Middleton são nascidas em Capricórnio. E são bons exemplos de que Capricórnio exige de você uma postura de “primeira-dama”, com muitas cerimônias e protocolos, mesmo que você use um chapéu diferente ou ensaie alguns passos de “hip-hop”.

Capricórnio freqüentemente se sente sozinho. Ainda que rodeado de pessoas, o que também pode acontecer com alguns Áries, Peixes e Leão. Porque nos grupos familiares ou no trabalho, decide sozinho, decide por todos e arca com todas as conseqüências das escolhas feitas. Signo racional, objetivo e sem espaço para fantasias.

Negativamente pode tornar-se duro, árido, seco, como o vaso de terra que secou porque não foi regado corretamente. Positivamente é um modelo de esforço e integridade.

Câncer completa e alivia Capricórnio, trazendo alegria, amor e relaxamento. É a água fresca que irriga a terra e a torna mais fértil. Mas Capricórnio também completa e equilibra Câncer.

Negativamente Câncer pode ficar numa postura regredida, adultos que se intitulam carentes em busca de afeto e que estabelecem relações nas quais o parceiro (ou parceira) precisam ser “pai e mãe” do sensível Câncer.

Capricórnio faz com que Câncer encontre um sentido maior para a vida, saia do ninho para se tornar uma pessoa adulta, participativa e generosa através do trabalho.

A Lua Cheia do dia 12, 9 h 35 m, será no signo de Câncer, em oposição ao Sol em Capricórnio. Com Vênus, Netuno e Marte conjuntos em Peixes. São duas lições a serem aprendidas.

A primeira pede o reconhecimento de uma família maior do que a família de sangue, pois Peixes é um signo de compaixão e amor universal.

A segunda pede um olhar mais atento para aqueles que nos são muito próximos. É mais fácil conseguir entender e ajudar quando não existe um elo emocional profundo. Não é fácil enxergar aqueles que amamos tanto e que são tão íntimos que fica difícil ter uma visão imparcial e correta sobre eles.