Saturno em Sagitário e Sagitário e o amor

Postado em 23 de novembro de 2015 por Andreia Modesto

Eva Vilma – 14 de dezembro de 1933

Esse foi o texto (abaixo) que fiz há pouco tempo sobre Sagitário e os relacionamentos. É uma síntese do que você pode reconhecer na maioria das pessoas nascidas em Sagitário. Como um signo de “Verdade”, dificilmente você vai encontrar Sagitário reprimido dentro de situações nas quais não se sente realmente à vontade.

Sagitário – Vamos ganhar o mundo! – Nem todo sagitariano vai calçar um par de botas e sair pelo planeta viajando sem rumo certo. Mas ele pode lhe propor uma relação de entusiasmo pela natureza, pelas viagens, pelo conhecimento. Assim como o signo oposto Gêmeos, amar para Sagitário é fazer movimento e expandir a consciência. Mas vai numa dimensão bem maior que Gêmeos. Se Gêmeos fica feliz de ir ao cinema do bairro, Sagitário quer ver o festival de Cannes ou convida você para mergulhar em Galápagos. Mais, mais e mais! Sagitário quer mais! O ar livre, o contato com a natureza, uma nova filosofia de vida, e vamos seguindo em frente! Medita no Tibete, faz retiro em Nova Déli, peregrina até Santiago, estuda chinês em Xangai, e você vai na mochila, melhor, vai ao lado dele. Como Leão, dá muito e exige muito, inclusive sexualmente. Os signos de fogo são extremamente vaidosos e é preciso brilhar junto, para que a chama também continue aquecendo os parceiros. São signos corajosos e a meta de vida a dois não pode ser uma boa poupança ou festas de família, mas algo novo e surpreendente que possa ser vivido a dois. Amar é dar espaço para aventuras e arriscar.

No entanto, você pode conhecer sagitarianos que são extremamente conservadores, medrosos e pouco vividos. Até mesmo contidos ou reprimidos. Eu escrevi que “dificilmente você vai encontrar Sagitário reprimido…”, mas dificilmente não é impossível. O que me parece existir SEMPRE é o desejo, a vontade de expandir. Tanto que os mais conservadores, pelo menos voam nos livros, nos idiomas e nos aviões, mesmo que seja apenas uma vez por ano, período de férias. Atendi muitos sagitarianos que falavam três línguas porque pai e mãe eram de culturas diferentes e viviam no Brasil há mais de 30 anos. Mas meu cliente não era arrojado ou entusiasmado em excesso. Ao contrário, filho de imigrantes, tinha noção das dificuldades da vida e se existisse sangue oriental nas veias, podia mostrar-se bastante contido.

Sagitário rege o mundo do Direito, da Ética e muitos optam por uma carreira militar que permita viagens constantes. E esse tipo de Sagitário mais conservador, pode ter relações amorosas também mais conservadoras. Um casal bastante comum é um parceiro Sagitário e outro Libra. Parece que a tranquilidade libriana tempera Sagitário com um pouco mais de paciência, enquanto Sagitário inflama Libra com um pouco mais de ousadia. Atendendo frequentemente, é possível reconhecer que alguns signos parecem realmente se atrair mais uns pelos outros.

Falando do próprio mapa astral, um sagitariano com Ascendente em Capricórnio, terá a casa 7, casa do casamento, sob a regência de Câncer. Se tiver a Lua em Touro na casa 5 e Vênus também em Capricórnio, buscará relacionamentos longos e valorizará a formação de família grande. Sem esquecer que os Nodos sempre influenciam todas as escolhas que fazemos. Um sagitariano com Nodo Sul em Aquário, é como o sopro dos ventos. Um sagitariano com Nodo Sul em Virgem, pode ser muito mais apegado e planejado.

É verdade que muitos sagitarianos podem ter um vigor sexual maior até do que o de Sagitário e podem se sentir muito mais livres e descompromissados do que Áries ou Aquário, casados com a própria liberdade. É um tipo de Sagitário. Não são todos que expressam essa sexualidade quase selvagem. E na maior parte das vezes, são os homens, vivenciando algo muito próximo do desejo de Zeus por ninfas, deusas e mortais. Conheci um rapaz sagitariano que era pai de oito crianças. As três primeiras do seu casamento, as outras nascidas de encontros ou namoros muito curtos.

Cada signo possui alguns pilares que podem se manter, independente de todas as outras influências distintas em cada mapa astral. Sagitário precisa continuar tendo fé e perspectiva de futuro. Então, acredito que a passagem de Saturno pelo entusiasmado Sagitário não seja assim tão nefasto como muitos anunciam. Essa fé não precisa fazer alguém levantar da cama dando pulinhos e saudando o sol, mas pode abrir a manhã com mantras budistas e seguir em paz o resto do dia.

Porque não se pode esquecer que embora Júpiter envie uma quadratura, Urano estará em trino. Há pouco tempo ouvi de um sagitariano que ele nunca havia considerado a chance de errar. Os acertos e as conquistas eram para ele um resultado natural e bem merecido de todos os seus investimentos e posturas. Até que apostou no número errado e perdeu muito.

Agora, mais maduro, continua sendo bastante arrojado, mas já temperou suas escolhas e posturas com uma dose de prudência e planejamento. Digamos que ele continua se jogando, mas primeiro faz uma avaliação do terreno e calcula os riscos que corre. Recuperou-se em todos os sentidos. Sagitário tem muita vaidade não somente sobre sua força pessoal, mas também sobre o seu caráter. Viver uma perda moral pode doer mais do que perder dinheiro ou viver rupturas afetivas.

O desafio de Saturno pode ser muito positivo. E, sobretudo, os sagitarianos de mais idade saberão utilizar essa energia.
Conheci muitos sagitarianos que eram grandes figuras paternas, símbolos a serem seguidos pelos filhos e até pelos netos. Corretos, persistentes, econômicos nas palavras, mas positivos nas mensagens. Fiéis às suas esposas, atuando como Capricórnio ou Leão, conscientes da força que possuem. Assim também conheci sagitarianas arrojadas nos estudos, vindas de famílias sem recursos e que chegaram a galgar degraus de reconhecimento e prêmios na Educação, Direito ou como empresárias.

Cada vez mais é preciso chamar a atenção para o fato de que um signo não determina todo um comportamento. Existem muitas outras influências que o modificam. E existe sempre o nível de evolução daquele espírito para vivenciar os desafios que a vida lhe impõe com alguns tropeções ou mostrando sabedoria desde cedo.