Sinastria – Signos e relacionamentos

Postado em 19 de setembro de 2014 por Andreia Modesto

Um cliente veio assustado para a consulta, muito preocupado em entender o seu relacionamento afetivo, já que consultou um site (desses que fazem leituras “prontas”) e descobriu que seu signo solar, que é Touro, não poderia jamais ser feliz ao lado de uma mulher nascida em Áries. O namoro já dura três anos e meio e não enfrentam nenhuma crise. Têm enfrentado mudanças na vida pessoal, mas não permitiram que houvesse qualquer tipo de contaminação para o relacionamento.

Existe uma velha posição da Astrologia, que nunca devemos nos associar com pessoas nascidas um signo antes ou um signo depois do nosso signo solar. Traríamos problemas para elas ou elas seriam um transtorno para nós. Simples, não é?

Já coloquei em outras postagens que não é possível fazer esse tipo de generalização. Como Touro e Áries são signos próximos, ele tem Vênus em Áries em conjunção com o Sol dela e ela tem Vênus e Marte em Touro conjuntos ao Sol dele. Existe harmonia entre os Ascendentes: o dele está a 28 graus de Escorpião e o dela está a 02 graus de Sagitário. Embora sejam signos e elementos diferentes, a diferença de 4 graus entre os dois Ascendentes, faz com que toda a Roda esteja em sintonia, ou seja, todas as cúspides (aberturas) das casas estão muito próximas e os trânsitos acontecem em total comunhão. Ambos estão planejando morar junto no ano que vem, o que é um planejamento saturniano, com Saturno se aproximando do Ascendente de ambos até o final do ano. Saturno tem uma força mais positiva ainda nos dois mapas, porque ambos têm mais de 50 anos, o que faz com que o planeta do tempo e da sabedoria, crie laços mais estreitos e firmes.

O que pode ser considerado numa sinastria, é muito amplo. Pode ser que mais forte do que a conjugação dos planetas, seja compreender os trânsitos e progressões que fizeram uma pessoa entrar na vida da outra. Se ele é nascido em Sagitário e entrou na vida dela num trânsito de Júpiter pela casa 5, casa de romance, talvez seja esse o primeiro ponto a ser considerado na avaliação do relacionamento. E não só nas sinastrias amorosas. Se um empresário precisa de um gerente para suas lojas e Saturno transita pela casa 6, casa do cotidiano de trabalho, mais vale pagar alguém com muito conhecimento e experiência na área (e por isso, mais idade), do que pegar alguém jovem, cheio de garra e motivação mas inexperiente e querendo fazer experimentações que não vão dar certo. Antes de avaliar os candidatos à vaga, já se pode descrever o tipo de funcionário perfeito para aquele momento.

Existem muitos mitos, muitas verdades que precisam ser derrubadas. E é por isso que muitas pessoas não acreditam na Astrologia, pois ela parece ser uma livro de manuais com receitas onde os ingredientes são exatos e serão sempre traduzidos de uma mesma maneira. Já abordei esse tipo de situação quando fiz postagens falando sobre os preconceitos na Astrologia.

Mas sei o quanto somos sugestionáveis e o quanto a “fala” do outro, ou o que se pode ler nos livros, nos impressiona e pode criar uma cortina de energia negativa ao nosso redor. Ou, pode nos fazer viver numa fantasia eterna, porque alguém disse em algum momento de nossas vidas que estávamos predestinados a obter boa fortuna sem muito esforço ou a um casamento maravilhoso.

A vida nos retribui aquilo que oferecemos para ela. Mas acredito que existe muito mais do que esse processo. Vi pessoas atravessarem situações muito difíceis e não havia nada que pudesse indicar, na essência daquela pessoa, que ela precisaria passar por aquela situação. Acredito na ordem que existe no Universo, na Matemática do Arquiteto, sem dúvida. Mas existem questões, motivos, razões, que sempre irão ultrapassar o nosso conhecimento limitado. Vamos virando as páginas e a cada encarnação conseguimos ler um pouco mais. Ou podemos usar a imagem da escada que vamos subindo mais degraus a cada vida. Também podemos pensar que a própria Humanidade vai conseguindo descortinar mais sobre si mesma e se esforçando por se aprimorar.

É sempre muito importante pensar sozinho. Avaliar, ponderar, criticar. É um direito e um dever que temos para com nós mesmos.