Sol, Saturno e Mercúrio em Sagitário, signo de conhecimento e expansão.

Postado em 29 de novembro de 2015 por Andreia Modesto

Sol, Saturno e Mercúrio em Sagitário. O signo do conhecimento profundo e transformador. Aquele que você devora e faz com que você se torne outra pessoa, o conhecimento que soma, agrega, permite outra visão, outra postura. Você sobe mais um degrau, você percebe os outros e a si mesmo de outro ângulo.

Ou, o que você leu, viu ou ouviu será apenas mais informação, algumas importantes, outras descartáveis. É muito curioso ler os sites ou assistir aos jornais. Depois do locutor tensionar o rosto, franzir as sobrancelhas e dar as notícias do terror, da corrupção, das mortes e do desastre ambiental, abre um sorriso e comenta sobre os grandes gols do clube do interior que ninguém conhece.

Nos sites, ao lado da foto de um desabrigado em Mariana, o close no short apertado de alguma “celebridade” por quinze minutos, a receita mágica para derreter celulite e a importância do divórcio do ator de novelas. Mas não perco tempo tentando entender o critério.

As pessoas me perguntam sobre a violência dos tempos que vivemos. Será que nunca foi assim antes? Sagitário é um signo de futuro, mas tem memória. Auschwitz, Treblinka, Hiroshima, Nagasaki, Guerra Civil Espanhola, se for a Cartagena das Índias curtir o sol do Caribe, não deixe de visitar o Palácio da Inquisição e ver como os cristãos matavam e torturavam, mas não faça isso na hora do almoço…não vou muito longe. Só alguns exemplos já bastam. Tente saber o que aconteceu na França no episódio do “velódromo” durante a Segunda Guerra no filme “A Chave de Ana”, tem no Netflix.

Quantos foram mortos e torturados na ditadura Mao e Stalin? Não vou citar os exemplos tupiniquins do nosso próprio quintal recente de 1960-1970.
A diferença é que não havia o mundo dos espetáculos, que faz você assistir a mortes e torturas no youtube, junto com o japonês bobo rebolando ou a nova maquiagem com delineador preto.

Mas hoje é domingo. A ilustração é de Toulouse-Lautrec, sagitariano de 24 de novembro de 1864, que com um metro e cinquenta e dois centímetros foi grandioso e considerado o pai da arte pop.