Trânsito de Plutão

Postado em 29 de junho de 2015 por Andreia Modesto

Plutão em Capricórnio

– reviravolta espiritual – Muitas vezes acontecendo como consequência das experiências vividas no mundo material

– reviravolta profissional

– reviravolta na saúde (ou parentes de mais idade fragilizados) – ou apenas chegada de menopausa; poderia trazer problemas de dentes, ossos, joelhos, coluna – positivamente poderia fazer perder peso e construir um “corpo novo”

**não é raro lidar diretamente com a possibilidade de morrer, seja um doença grave, um acidente ou isso acontece com alguém muito próximo – os pilares caem, nada nos sustenta mais, os terremotos se sucedem

– constatação da finitude da vida por alguma situação de impacto como aposentadoria, menopausa, divórcio, viuvez…situações em que concretamente o TEMPO se revela.

Um homem que se aposente realmente, parando de trabalhar, mude de residência e de bairro e ganhe um neto, já está vibrando Plutão, vivenciando muitas experiências de transformação. Mas também aqueles que vivenciam frustrações, água gelada no sonho de expansão ou ascensão que acaba não se realizando.

Toda mudança radical de papéis: a jovem que aos 36 anos abandona a carreira para seguir na vida acadêmica e engravida

Plutão pode ter MILHÕES de interpretações. Está COMUMENTE associado a mudanças essenciais, mudanças de estrutura interna, que podem ocorrer motivadas por mudanças externas. Por ser, como Saturno, um planeta associado à passagem do TEMPO, muitas vezes traz muita fragilidade de saúde ou parentes de mais idade muito frágeis, pois dá a dimensão de fechamento de ciclo e abertura de ciclo novo. *isso vai depender muito da história de cada um, da proposta do mapa e da idade.

É possível falar de Plutão de mil formas diferentes. Algumas pessoas perceberão claramente, nitidamente, que a vida possui um “sentido”, que a vida possui “vida” – parece uma bobagem, mas o que eu quero dizer é que a vida possui uma inteligência, suas próprias regras e muitas vezes traz experiências que fazem um novo sentido, percebemos que muitos investimentos e escolhas que fizemos no passado, agora ganham um novo significado.

A “passagem do tempo” pode ser percebida pela chegada feliz de um neto enquanto a tia avó mais idosa se vai para um outro plano.

Menopausa é um “sintoma” de passagem do tempo. Assim como perceber que mãe e avó estão frágeis demais. Pode-se ficar meio impaciente, meio deprê e não é raro que se tenha fixação na morte, obsessão pela morte. É comum que nas viradas de 40-50 anos, o tema da morte se imponha por sonhos noturnos ou simplesmente pelo medo de morrer. O que acontece, é que o corpo está mais cansado, as experiências nos mostram isso, mentalmente e fisicamente temos um cansaço acumulado, as células não respondem mais como gostaríamos, ainda que usemos botox, façamos muita ginástica e medicina ortomolecular.

O fato de não se ter mais tanto tempo de vida pela frente, traz uma reorganização do tempo que não é fácil. Para o ser humano ocidental, cujos pilares são potência, estrutura, capacidade de fazer e controlar, envelhecer pode parecer uma maldição, pois literalmente, o corpo gostaria de ter mais tempo para a preguiça.

Acho que uma das experiências mais fortes do processo de envelhecimento, é a cisão entre mente e corpo, pois se a cabeça está a mil por hora, o corpo já não vai mais no mesmo ritmo. Podemos ter muitas metas desafiadoras, mas sabemos que não vamos cumpri-las como poderíamos cumprir aos 30 anos.

Quem tem planetas em Capricórnio na casa 12, pode ter Júpiter transitando pela casa 8, casa de Plutão. Muitas pessoas têm perdas por morte, não necessariamente muito próximas, mas que sempre tocam profundamente. Pode ser o caso de vir a saber que uma ex colega de estudos, de sua idade, enfartou ou teve algum problema sério de saúde e faleceu. A morte parece estar muito perto, a partir da constatação de que não se vive mais o mesmo tempo de vida vivido até então. Tudo parece muito ameaçador e ficamos mais vulneráveis ou impressionáveis, sobretudo quando o trânsito começa.

Plutão traz experiências que podem completamente fugir do nosso controle. É o planeta associado ao poder do destino. Quem achava que usava sempre do livre arbítrio pode levar um puxão de tapetes da própria vida. Isso não precisa ser tão negativo, mas o tempo todo a força do tal destino se impõe. Muitas vezes de dentro para fora, numa briga entre razão e intuição, razão e desejo.

Pode ser um período proveitoso para terapias e todo processo de reflexão e autoconhecimento. Por isso, a questão espiritual pode ficar também mais forte. Pode ser um período de aceitação das situações que não se pode mudar. Algumas pessoas se deprimem, mas não é uma regra. O processo de entrada na meia idade não acontece com um ganho extra de vigor, mas com o reconhecimento da fragilidade do ser humano, ou seja, de todos nós.

Não é uma leitura muito glamourosa, mas é o que acontece. E não é raro a fixação pela morte. Literalmente, não se vai mais viver o mesmo tempo vivido. E se isto chegar a acontecer, a força vital não será a mesma. Pode existir uma urgência em se resolver o que precisa ser resolvido, em todos os níveis.

O trânsito de Plutão É PERFEITO para eliminar o que não serve mais. Concretamente, se liberando inclusive de alguns relacionamentos, OU internamente, se liberando de pensamentos, ideias, ideais ou trocando algumas metas de vida por outras.

Já vi pessoas terem um “Plutão” muito light. Resolvem investir pesado na saúde para fazer um contraponto com o cansaço da idade. Mudam o corpo radicalmente para muito melhor. Depois pedem a aposentadoria do INSS e embora continuem na ativa profissionalmente, elas fecham um ciclo de 30, 35 ou mais tempo de aposentadoria, deixam de contribuir e passam a receber.

Sempre é preciso conjugar o trânsito de Plutão com os outros planetas. Se Plutão tira energia, uma progressão da Lua na casa 5 pode trazer vitalidade. Se Plutão traz a obsessão pela morte, Urano pode trazer a percepção da ressurreição quase que imediata. Já vi longos trânsitos de Plutão que se arrastaram por anos, tornando os outros planetas completamente neutros. Ou seja, os outros planetas NÃO conseguiram se manifestar.

É como se o manto da noite de sono da Bela Adormecida tivesse se estendido por todas as áreas da vida e aquela pessoa estava congelada. Foram situações raríssimas. Em quase 30 anos de atendimento, me recordo de quatro histórias. É um dado estatístico sem relevância, muito e muito pessoal. As pessoas que assim reagiram, tinham poucos instrumentos, poucas ferramentas para conseguir uma atuação imediata para canalizar as energias de Plutão e ele foi se tornando muito forte.

Plutão nos faz lidar com o lado mais feroz da vida. A sombra, os buracos negros, aquilo que não se prevê e ninguém se sente merecedor. Plutão na Mitologia tem uma história de abuso, violência, roubando a inocente Core de sua poderosa mãe Deméter e fazendo com que o grão da vida representado pela menina, se torne mulher e rainha, consciente de todos os seus poderes e fora do controle da mãe.

Por isso, num trânsito de Plutão é comum que as pessoas digam:

– Mas não estou entendendo o que está me acontecendo! – É uma fala comum quando são elas próprias que estão em contato com o seu lado “sombra”. Situações em que se “vira a cabeça” pelo homem errado, ou quando se cometem atos que poderiam nos trazer vergonha e que não estão de acordo com as verdades nas quais acreditamos.

É comum que existam rupturas associadas a Plutão. A decepção no casamento, a desilusão, o desgaste e os términos brutalmente intensos, emocionalmente descontrolados. Nos casamentos, é comum que o trânsito de Plutão nos mostre o pior do parceiro afetivo. Ele nos trai com nossa melhor amiga, rouba nosso dinheiro, entra numa crise de idade e regride aos 18 anos, ou reage negativamente ao nosso pedido de divórcio. Brigas violentas, chantagens emocionais, muita tensão envolvendo palavras pesadas, dinheiro, ressentimentos…

O melhor é tentar não brigar. Mas nem sempre é possível. Então, é preciso evitar entrar numa onda emocional negativa, fazendo um link com aquela pessoa que representa Plutão. Ou pessoas. Podemos lidar diretamente com o MAL, com a má fé, com o lado sombrio das pessoas que conhecíamos (ou achávamos que conhecíamos), ou com desconhecidos. Plutão é uma energia de iniciação espiritual profunda. Como um batismo na lama, um batismo nos infernos, onde nós mesmos somos tentados a oferecer também o que temos de pior, raiva, mágoa e ressentimento.

Não é fácil. O primeiro passo é aceitar que por algum motivo que nossa razão jamais alcançará, “precisamos passar por aquilo”. E que sairemos de tais experiências, sejam doenças, divórcios ou qualquer outra situação – limite de perda, fortalecidos, renovados, não tão puros, mas transformados e cheios de poder, e ainda, com mais consciência sobre si mesmo e sobre a vida, como aconteceu a jovem Core.

Os trânsitos de Plutão deixam claro que pagamos um tributo à vida. Ela é uma dádiva, um presente, uma oportunidade, mas também nos cobra um pedágio por estarmos aqui. Num trânsito de Plutão não é raro termos que entregar o que mais nos era caro, o nome, a moral, o dinheiro, alguém que amamos, uma condição intelectual ou nós mesmos inteiramente. É melhor pedir ajuda a máxima dos alquimistas (que muitos acreditam ser uma frase de Jung) e ler todos os dias:

“Qualquer árvore que queira tocar os céus precisa ter raízes tão profundas a ponto de tocar os infernos.”